CONFERÊNCIA "MOBILIDADE E ALTERAÇÕES CLIMÁTICAS"

 
# 8 NOV 2019 | 9.30 am – 1.00 pm (sexta-feira/ Friday)
Local/ Location: Pequeno Auditório - Culturgest - Lisboa

CONFERÊNCIA “MOBILIDADE E ALTERAÇÕES CLIMÁTICAS”
CONFERENCE "MOBILITY AND CLIMATE CHANGE"
 
 
Coorganização/ Co-organization:
 
 
 
PROGRAMA / PROGRAMME:
 
9H00 | ACREDITAÇÃO

9H30 | CERIMÓNIA DE ABERTURA
   
   Representante, EMEL
 
   Mário Parra da Silva, Chair of the Board, Global Compact Network Portugal / Presidente, APEE
 
10H00 | MOBILIDADE E ALTERAÇÕES CLIMÁTICAS

   Representante | Emel
 
10H30 | RUMO À MOBILIDADE SUSTENTÁVEL: FATORES QUE INFLUENCIAM UMA NOVA MOBILIDADE E TENDÊNCIAS ATÉ 2030

   Maria Reis, Consultora em Sustentabilidade | Pedra Base
 
11H00 |  NETWORKING COFFEE BREAK
 
11H30 | MOBILIDADE SUSTENTÁVEL EM LISBOA

   Representante | Quercus
 
12H00 | MOBILIDADE SUSTENTÁVEL NO CONTEXTO DO PLANO DE AÇÃO DE ENERGIA SUSTENTÁVEL E CLIMA DE LISBOA

   Representante | Lisboa E-NOVA
 
12H30 | ENCERRAMENTO
 
 
Entrevista a Luís Natal Marques (LNM), Presidente da EMEL, no âmbito da Semana da Responsabilidade Social 2019.
 
SRS 2019: Para uma empresa, como a EMEL, que tem como missão a gestão da mobilidade e do estacionamento, qual é a importância – em termos financeiros e também a nível ético e de responsabilidade social – de alinhar a sua estratégia de negócio com a sustentabilidade e com o combate às alterações climáticas? 
LNM: Trata-se de valorizar o futuro comum da humanidade e de perceber que esse futuro passa em grande medida pelas cidades, na medida em que elas são um dos principais fatores de produção de externalidades negativas ambientais. A sustentabilidade, que na sua génese se reportava, tão só, às questões de natureza ambiental, é hoje vista de forma alargada. As alterações climáticas induzidas pelos comportamentos humanos têm impactos económicos e sociais que não podem ser desprezados no contexto global. Contrariar esses impactos é desafio para o qual todos somos convocados, em especial aqueles que lidam diretamente com os assuntos da mobilidade, cujos contributos para as alterações climáticas são significativos.

 
SRS 2019: Quando se pensa na gestão da mobilidade e do estacionamento, que critérios são agora considerados e que não eram, por exemplo, nos anos 70?
LNM: Na década de 70 o automóvel era, muito mais do que hoje, sinónimo de estatuto. Aos governantes das cidades pedia-se que gerassem estacionamento para acomodar a enorme quantidade de veículos adquiridos por uma classe média crescente. A consciência de que as cidades não podiam continuar nesse registo é uma aquisição mais recente. A sustentabilidade preocupa a juventude de hoje que nutre um sentimento diferente em relação ao automóvel, já que dá mais importância às questões ambientais e, por isso, dá prioridade ao valor de uso em detrimento do valor de posse. Tudo isso acontece ao mesmo tempo que se exige que as cidades reganhem os espaços públicos para os peões e se incentiva a utilização dos transportes públicos e de modos suaves de mobilidade.
 
 
SRS 2019: Que iniciativas têm vindo a ser implementadas pela EMEL em matéria de mobilidade urbana e sustentabilidade ambiental? E quais são aquelas que estão a ser desenvolvidas e que irão ser implementadas futuramente?
LNM: Internamente, a distribuição do passe de transporte público e das bicicletas partilhadas a todos os funcionários. Também a frota da empresa se tem eletrificado. Na cidade de Lisboa os automóveis elétricos estão isentos do pagamento da tarifa de estacionamento e o Sistema Público de Bicicletas Partilhadas (Gira) foi instalado pela EMEL. A aposta nos modos suaves está presente no Plano de Atividades da empresa de maneira significativa, como se pode avaliar pelo fortíssimo investimento na construção de ciclovias e no reforço do Sistema Gira.
 
SRS 2019: A EMEL está a coorganizar uma mesa redonda sobre Mobilidade e Alterações Climáticas, na Semana da Responsabilidade Social 2019. Qual é a importância, para a organização, de se associar a iniciativas desta natureza?
LNM: A importância prende-se com a necessidade de fazer uma Pedagogia da Mobilidade sustentável e limpa, uma vez que, sendo uma empresa pública, lhe cabem responsabilidades particulares nessa matéria. Trata-se também de fazer a divulgação de uma mobilidade socialmente responsável e de tornar percetíveis os padrões dessa mobilidade.
 
SRS 2019: Como perspetiva a mobilidade na cidade de Lisboa, em 2030?
LNM: Mais limpa, saudável e sustentável, naturalmente.
 
 
SRS 2019: Em três palavras, o que é para si a sustentabilidade?
LNM: Equilíbrio ambiental, económico e social.
 
 
 

Pesquisar

Associados

 
with passion by softag